O que o pastelão une…

Tenho uma prima gente boa – e isso é bem raro, principalmente após a disseminação do Whatasapp. Não que ela tenha realizado feitos históricos, tenha ido ao surubão de Noronha, trabalhe como figurante de “Malhação” ou até mesmo seja uma

O som do fracasso

Quando tinha 17 anos, resolvi que era hora de aprender a dançar. Não que eu gostasse do remelexo. Longe disso. Para mim, dança é só um instinto milenar que nos possui do nada assim que batem numa corda ou num